Resultados

Capitão Amador - Faça parte desse time
2009 = 100% de Aprovação
2010 = 100% de Aprovação
2011 =   70% de Aprovação
2012 = 100% de Aprovação
2013 = 100% de Aprovação
2014100% de Aprovação
2015100% de Aprovação
2016100% de Aprovação

2017.01100% de Aprovação

Alunos desde 1982 : 21.267
Horas navegadas desde 1980: 32.462

Mural de Avisos

Mural de Avisos Provas de Arrais, Mestre e Motonauta
CPSP- SANTOS - SP.:
JUL. -  27.07.2017
AGO. - 24.08.2017
SET. - 19.09.2017
Provas Capitão Amador 2017-02
OUT. - 26.10.2017

Mural de Avisos 2017 - Calendário Anual dos Cursos e Provas veja no Calendário de Eventos.
Mural de Avisos Documentos de Embarcações e Carteiras de Habilitação Disponíveis para Retirar.
Consultoria e Projetos

 

Projetamos e gerenciamos a construção da sua ESCUNA ou TRAINEIRA (TRAWLER).

Professor do Mar

E-mail Imprimir PDF
PROFESSOR DO MAR 

Matéria publicada na Revista Acontece em Alphaville pela reporter e jornalista Anica Beara

O Capitão Carlos Polacco sempre quis dividir com as outras pessoas sua experiência em navegação. E conseguiu: já formou mais de 20 mil alunos!

Capitão Amador Carlos Polacco

Acontece em Alphaville – Como nasceu sua paixão pelo mar?
Carlos Polacco -
Penso que minha paixão pelo mar surgiu quando ainda estava no ventre da minha mãe, pois ela adorava o mar, a brisa e o sol. Meu envolvimento com embarcações e o mar surgiu mesmo quando tinha por volta de doze anos de idade e fui passar férias com meu irmão na casa de um amigo, o Carlos Viana, em São Sebastião.

AA – Conte esta experiência.
CP - Naquela casa havia uma pequena canoa feita de tronco de árvore na qual brincávamos perto da praia. Certo dia, resolvemos navegar mais longe com a nossa canoa e, para isso, improvisamos um mastro com um bambu e fizemos a vela com uma rede de balançar. Antes do amanhecer, estes três marinheiros de “primeiríssima viagem” estavam se fazendo ao mar e remando para o meio do Canal de São Sebastião, pois não havia uma brisa sequer. Fomos arrastados pela correnteza do canal que nos empurrava na direção sul com boa velocidade. Nesse momento, percebemos que não tínhamos o controle da canoa e resolvemos remar, remar muito, mas a correnteza implacável nos vencia com facilidade. Depois de horas conseguimos chegar em uma prainha próxima ao bairro do Pontal da Cruz.

AA – E seu primeiro barco?
CP - Em 1979, comprei o primeiro barco oceânico projetado pelo renomado arquiteto naval brasileiro, o Cabinho. Era o Atoll 23, um pequeno veleiro cabinado com 7 metros de comprimento, 4 beliches, um pequeno banheiro, cozinha e motor de popa auxiliar de 15 HP com rabeta longa e partida elétrica. Fomos muito felizes com este barco, navegando em família pela costa brasileira com minha esposa Helena e nossos filhos Carlos e Rodrigo. O nome do barco ainda é “Mangalarga” e foi muito bem dado pela Helena, pois o barco realmente cavalga as ondas. A partir daí, não paramos mais, fui convidado a participar de algumas regatas na classe “Marreco” e conquistamos algumas medalhas.

AA – Como surgiu a idéia de ensinar a conduzir embarcações?
CP - Eu já fazia isso na época em que cursei Engenharia. Nossos amigos que saíam de barco conosco, no final de semana já sabiam conduzir sozinhos. O que aconteceu é que essas pessoas tinham amigos que também queriam aprender a conduzir uma embarcação com segurança e pediam para que saíssem comigo. Assim, no ano de 1982 surgiu o Curso de Vela Prática do Carlos.

Resolvi, em 1984, homologar o curso de Vela Prática do Carlos na Marinha do Brasil. Dirigi-me à Capitania dos Portos do Estado de São Paulo, em Santos, e fui encaminhado ao Comandante Carlos Alberto. Contei a ele meus planos de promover cursos cada vez melhores e mais aperfeiçoados, mostrei as apostilas que havia feito na “máquina de escrever” e o convidei para participar de um curso para receber suas sugestões. O Comandante ouvia minha entusiasmada explanação em silêncio e, quando terminei, ele disse palavras que nunca mais esquecerei: “Sr. Carlos, gostei muito de você e da sua forma de agir com prudência e responsabilidade. Gostaria que o senhor, num prazo de trinta dias, abrisse um curso para as categorias de Arrais Amador e Mestre Amador; eu irei pessoalmente aplicar a prova aos candidatos”. Passados dois meses, havíamos fundado a Porthos Náutica, que até hoje já formou mais de 17 mil alunos e oferece diversos cursos em vários níveis, além da venda, gerenciamento e consultoria de embarcações e serviços de despachante.

AA – Como foi realizar seu sonho de atravessar os oceanos?
CP – Sempre tive o sonho de poder sentir as emoções dos navegadores: o de estar no oceano num pequeno barco a vela. Aos 42 anos, disse para a Helena: “chegou a hora de conhecer novos continentes e ilhas oceânicas. Como não temos dinheiro para fazer isto de uma única vez, planejo fazer por partes. Podemos navegar por trinta dias e deixamos o barco numa marina e retornamos de avião. Depois, na primeira oportunidade, voltamos lá, preparamos o barco e seguimos viagem por mais trinta dias”. Levamos vários anos, mas assim aconteceu. É um sentimento de intensa alegria e felicidade olhar nas cartas náuticas o caminho percorrido, parte dele com a família.

AA – Quais momentos, durante as navegações, foram mais marcantes?
CP - Foi quando sobrevivemos a um furacão em 1992, no Atlântico Norte. O serviço de meteorologia que consultamos nos Estados Unidos antes da nossa partida fez uma previsão equivocada. Estávamos nos dirigindo com destino para a Ilha de Porto Rico e acabamos indo parar no arquipélago da Ilha das Bermudas, entrando no Triângulo das Bermudas... No final, ocorreu tudo bem. Quando ancoramos na ponta da Piedade, litoral de Angra dos Reis, eu emocionado e ajoelhado na porta principal da Igreja, agradeci à proteção e o carinho que Nossa Senhora dos Navegantes dispensou ao nosso barco, a mim e à tripulação. Foram momentos de profunda emoção, que não têm preço.

AA – Capitão, deixe uma mensagem aos internautas amigos do mar.
CP
- Quero lembrar a todos que lerem este breve relato que somos nós quem criamos a nossa própria realidade, e que a felicidade é um estado de espírito alimentado pela alegria de sabermos agradecer a Deus, nosso Criador, pela oportunidade da Vida!

Última atualização ( Seg, 08 de Abril de 2013 16:38 )
 

Capitão Amador Outubro 2009

E-mail Imprimir PDF

Nº de alunos inscritos na Capitania dos Portos de São Paulo = + de 100 

Nº de candidatos aprovados = 51

Nº de alunos inscritos da PORTHOS NÁUTICA = 10

Nº de aprovados pela PORTHOS NÁUTICA = 10

Percentual de aprovação no exame de Capitão pela PORTHOS NAUTICA em São Paulo = 20%

 

Última atualização ( Sex, 15 de Janeiro de 2010 11:46 )
 

SPBS 2009 - Como foi o São Paulo Boat Show 2009

E-mail Imprimir PDF

SPBS 2009 - SÃO PAULO BOAT SHOW 2009

A PORTHOS NÁUTICA , A REVISTA NÁUTICA E A DIREÇÃO DO SPBS 2009 AGRADECEM A PARTICIPAÇÃO DE TODOS OS 184 ALUNOS QUE PARTICIPARAM DO CURSO GRATUITO DE ARRAIS AMADOR.

Última atualização ( Ter, 21 de Dezembro de 2010 17:07 ) Leia mais...
 

Limites de Navegação - Arrais Amador

E-mail Imprimir PDF

LIMITES DE NAVEGAÇÃO
(Para o Arrais Amador e/ou embarcações classificadas para navegação interior)

Última atualização ( Sex, 15 de Janeiro de 2010 11:58 )
 

Cartas Náuticas

E-mail Imprimir PDF

ALGUMAS CARTAS NÁUTICAS

Última atualização ( Sex, 15 de Janeiro de 2010 11:59 )
 
Página 1 de 2

Fale Conosco

Entre em contato agora mesmo!

(11) 4153-5657

(11) 9-7524-1745


+ Envie uma mensagem

VENDA SEU BARCO

Enquete

Você acha importante para se habilitar ter aulas práticas de jet, lancha ou veleiro?
 

Download Já!

Sample image

Faça downloads de cartas eletrônicas e outros disponíveis em nossa área de Downloads!


EM 30 DE ABRIL DE 2015
ALCANÇAMOS A MARCA DE
21.000 ALUNOS
PARABÉNS
RICARDO EIJI OZAKI
ESCOLHEU COMO PRÊMIO
UM CURSO DE
MESTRE AMADOR